Atleta que se preparou em Maringá é medalha de ouro no Pan-Americano em Lima no Peru

Doce realizou sua preparação na Clinisport Prime antes de disputar o Pan pela seleção brasileira de handebol feminina

Na noite da última terça-feira (30), a Seleção Brasileira de Handebol Feminino conquistou a medalha de ouro no Pan-Americano de Lima, no Peru, após vencer a Argentina por 30 a 21. No elenco do Brasil estava a ponteira Adriana de Castro, mais conhecida como Doce, que passou o último mês na Clinisport Prime, em Maringá, fazendo um treinamento intensivo para a disputa dos jogos.

Doce tem 28 anos e nasceu em Fortaleza, mas mudou para Maringá quando era pequena, com apenas dois anos de idade. Foi na cidade canção que ela começou a treinar handebol e em 2011 acabou sendo contratada pelo Randers HK, da Dinamarca. A partir de então, começou a figurar nas convocações da Seleção Brasileira principal. Esse foi o primeiro Pan da atleta, que não escondeu a alegria pela conquista da medalha de ouro. “Foi uma experiência muito especial para mim ainda mais depois de estar longe da seleção por cinco anos. Voltar, medalhar, dividir a quadra com as meninas que eu sou fã e amiga tornaram essa experiência ainda mais especial”, comenta a ponteira.
A atleta ainda comentou sobre o tempo que passou na Clinisport se preparando para os jogos. “Esse tempo que passei em Maringá foi de suma importância, pude fazer uma parte da minha reabilitação e treinamento na Clinisport Prime e ter tido a disponibilidade de toda essa estrutura” finaliza.

Adriana foi uma das destaques da seleção no campeonato, além da medalha de ouro a atleta ainda foi a goleadora da competição com 27 gols.

O fisioterapeuta e diretor da Clinisport Prime, Kleber Barbão, se diz feliz quando uma atleta, que passou pelo centro de treinamento, consegue conquistar um título tão importante. “Eu fico muito contente em saber de atletas como ela, que passaram pela clínica, obtiveram sucessos nas suas vidas profissionais, que trouxeram resultados para o Brasil e puderam representar o nosso País. Isso é algo muito importante para eles e consequentemente muito bom para a clínica também”, comentou Barbão.

O Fisioterapeuta ainda enfatizou a importância do treinamento que a atleta fez antes da competição. “Nós conseguimos avaliar desequilíbrios musculares na Doce e a partir daí programar um trabalho de fortalecimento mais específico pra ela, tendo como objetivo prevenir alguma lesão e aumentar seu desempenho. E acho muito importante esse trabalho em conjunto da clínica, da nossa equipe, da Seleção Brasileira e com a atleta. Ambos tendem a ganhar, mas principalmente o Brasil. Estou satisfeito com os resultados que estão aparecendo”, finalizou Kleber.

Com a conquista da medalha de ouro, a equipe Feminina de Handebol do Brasil conquistou a vaga para a Olimpíada de Tóquio que irá ocorrer no ano que vêm.

Por Assessoria de Imprensa